Featured Post

Kickstart 1H11 – Pre Registration Open

After the successfull organization of Kickstart 2H10, we will be organizing the Kickstart 1H11 event on the 8th and 9th of April 2011, where we will select the companies that will receive investment from SeedCapital during the 1st half of 2011 (thus 1H11). The previous Kickstart round went pretty well,...

Read More

Missionários e Visionários

Posted by maverick | Posted in Uncategorized | Posted on 28-10-2009

0

Os valores de uma empresa, consequentes dos valores dos fundadores, são determinantes na definição da estratégia dessa empresa. Os valores até podem não ser definidos ou analisados. Mas, de uma forma ou de outra, vão influir na forma como a empresa se comporta e como concorre.

Definidos os valores, como se determina a estratégia? Uma estratégia tem vários componentes de definição. Mas para já vamos começar pelos mais importantes: a Missão e a Visão.

A missão não é uma daquelas merdas tipo “pretendemos ser líderes no nosso segmento de mercado, servindo os nossos clientes com qualidade e remunerando os nossos colaboradores e accionistas”. Uma missão é algo que diz claramente e sem buzzwords “quem somos, porque estamos aqui, o que é nos move”. Missão não é a estratégia, não são os objectivos, não é a descrição de produtos ou segmentos.

Bons exemplos daquilo que é uma missão de uma empresa:

  • Merck: “To preserve and improve human life”
  • Nike: “To experience the emotion of competition”
  • Walt Disney: “To make people happy”
  • Fannie Mae: “Strengthen society by democratizing home ownership” (o resultado foi a crise do subprime; também há missões estúpidas)

Todas elas decorrem dos valores fundamentais da empresa e das pessoas que nela trabalham.

Em conjunto com a missão, a estratégia de uma empresa é formulada através da definição da visão. A visão não é o mesmo que objectivos: isso vem depois. Não é, mais uma vez, umas larachas genéricas. A visão não é futurologia nem é uma previsão. A visão é algo que, especialmente para os membros da empresa, diz de forma clara e concisa “para onde vamos”. Tem de ser algo memorizável, algo que desafia a imaginação e que inspira. Isto não quer dizer que não seja viável e tangível. Pode ter probabilidade inferior a 100% e até ser inerentemente inatingível. Mas é acima de tudo a criação de um futuro.

Bons exemplos de visões de empresa:

  • Ford: “Democratize the automobile” (note-se que ainda não a atingiram)
  • Wal Mart: “Become a $125 billion company by year 2000” (não conseguiram; mas era possível)
  • Nike: “Crush Adidas” (para missão nada como atacar um gigante; cria um sentimento de David vs Golias que é bastante motivador)
  • Giro Sport: “Be the Nike of the cycling industry” (analogias também dão jeito)

Para se ter uma visão não é preciso ser um visionário, no sentido “mágico” do termo. Para ter uma visão (diferente de alucinações) basta ser capaz de olhar à volta e ter a coragem de dizer para onde se quer ir.

Como é que se sabe que temos uma boa missão e uma boa visão? Sabe-se, pura e simplesmente. É aquele par que, em conjunto, traz um frio à barriga, uma pontinha de medo e um nó na garganta. E vontade de começar a partir a loiça toda.

Comments are closed.